Estação Black – Dr Dre a lenda viva do rap

Estação Black – Dr Dre a lenda viva do rap

Dr Dre – a lenda viva do Rap

Por Marcelo Kurts

Por Marcelo Kurts

… Hey yo Eazy! (Yo!)
Hey man why don’t you come off the piano for a minute, man
And bust this crazy shit …

Foram essas a primeiras palavras ditas na clássica canção Boys n’ the hood de 1987 cantada por um ex-traficante filiado aos Crips, sendo auxiliado por um DJ local que mais tarde se tornaria o mais representativo produtor de Hip Hop da Costa Oeste americana. Estamos falando de um dos principais mestres da música contemporânea norte-americana responsável pelo estrondoso sucesso de Snoop Dogg, Eminem e 50 Cent.

O artista e produtor musical Andre Romelle Young, conhecido pelo apelido de Dr Dre, iniciou sua carreira musical atuando como DJ de clube e no grupo World Class Wreckin’ Cru ao lado de DJ Yella durante os anos 80.

“Naquela época era uma pegada mais pop, o grupo fazia um som Electro Funk (estilo criado pelo DJ Afrika Bambaata que originou o Miami Bass e o Miami Freestyle), mas eu queria fazer algo de rua que falasse diretamente aos negros do Compton”, disse Dre ao documentário The Defiant Ones, exibido na Netflix.

Dre, um exímio DJ de um bairro negro da Califórnia, juntou-se ao próprio Yella, Arabian Prince que saiu do grupo antes do sucesso, Easy-E, ex traficante que tinha a intenção de abrir um selo musical, Ice Cube, rapper politizado que escrevia muito bem e MC Ren, para fundar um dos mais influentes e importantes grupo de rap do planeta, o N.W.A (Niggaz Whith Attitudes – Negros com atitude).

Ele acreditou e investiu em Easy-E, que não possuía talento algum no Rap para gravar Boys n’ the hood, escrita por Ice Cube. Essa canção local só alcançou o top da Billboard Hot 100 após 30 anos de seu lançamento, graças ao sucesso do Filme Straight outta Compton (A História do N.W.A) ficando na posição 50 em 2015.

Através de  Boys n’ the hood, Easy fundou a antológica Ruthlles Records, selo musical que também lançou a cantora Michel’le, o rapper D.O.C e o grupo feminino J.J Fad do hit Supersonic que tocou bastante em SP no ano de 1989.

Após a saída de Ice Cube, Dre assumiu de vez os vocais, firmando-se como um dos principais membros do N.W.A. Eram 4 vozes estridentes, porém, Cube decidiu seguir carreira solo por estar descontente com Jerry Heller, empresário do grupo.

Após a saída de Ice Cube, o grupo perdeu grande parte de sua força, a mensagem construtiva diminuiu, mas o N.W.A ainda chocava com a violência e a misoginia, o humor e o hedonismo. O recém saido membro virara alvo de críticas no álbum Niggaz for life, como é visível na faixa “A Message To B.A.” (B.A. são as iniciais de Benedict Arnold, usado como sinônimo de traidor, “uma mensagem para um traidor”), que não ficou ilesa, sendo respondida por Ice Cube na música “No Vaseline“, do álbum Death Certificate de 1991.

Entre os principais sucessos do N.W.A com os vocais de Dr Dre estão Express yourself, Apettite for destruction, Niggaz for life, Always into  somethin e Compton’s in the house (minha favorita).

Descontente também com o gerenciamento do N.W.A, Dr Dre saiu do grupo e fundou a Death Row Records em sociedade com o gangster Suge Knight e lançou seu primeiro álbum The Cronic que o colocou de vez no cenário Rap como um dos melhores artistas solos.

Nessa mesma época, Dre produziu músicas polêmicas, dando início a uma guerra musical contra seu ex parceiro de grupo. Dessas Diss (canções de insulto) Ele lançou a música Fuck whit Dre day ao lado de Snoop Dogg e satirizou Easy no clipe dessa mesma.

Easy-E, malandro de rua, em resposta a Dre e Snoop lançou Real Mother Fucker G’s com participação de gangsta Dresta e BG Knocc Out. Nesse Rap, o baixinho mostrava quem realmente era o verdadeiro gangsta.

A Death Row Records era uma gravadora ligada a coisas ilícitas, pois Suge Knight era membro dos Bloods (facção criminosa da Costa Oeste) e extremamente perigoso, suspeito de ter contaminado Easy-E injetando uma seringa com o vírus HIV em seu corpo, levando-o a óbito em decorrência da AIDS. Anos à frente, Suge ficou como o principal suspeito das mortes de Tupac Shaker e Notorious Big.

Uma das últimas cartadas de Dr Dre na Death Row foi a sucesso mundial do hit California Love em parceria com Tupac e participação de Roger Troutman da banda Zapp, essa canção foi trilha sonora do filme Homem de Ferro.

Dre saiu da Deat Row deixando tudo para Suge Knight para fundar sua própria gravadora a  Afftermath Entertainment (atualmente subsidiária da Intercope Records) onde lançou a copilação Dr Dre Presents the Afttermath que fez sucesso com Been There e Done That. Em 2001 lançou a sequência de The Cronic ou Cronic 2001.

No final dos anos 90 Dre passava por problemas financeiros, mas decidiu acreditar no potencial de um jovem branco de olhos azuis que improvisava muito, além de desenvolver um potente Speed Flow (rima acelerada). Era o promissor Marshal Bruce Mathers III, chamado Slim Shady, que se tornou Eminem mundialmente, sendo ele um dos maiores ganhadores de Grammy dentro do rap com 13 premiações.

Estação Black - Dr Dre a lenda viva do rap
Estação Black – Dr Dre a lenda viva do rap

Dre produziu também o rapper nova iorquino 50 Cent, descoberto por Eminem. Cent assinou contrato com a Intercop Records tornando-se sucesso comercial com recorde de vendas. Não tem como falar dessas estrelas milionárias do rap sem lembrar o conceituado Andre Romelle Young, o Dr Dre, que já trabalhou com Kendrick Lamar, Tha Dog Pound, LL Cool J, B. Real, Katy Perry, Nate Dogg, The Game, Nas, Gwen Stefani, Warren (seu irmão) entre outros.

Ele fundou a Beats Eletronics e 2008 com seu sócio e amigo, o renomado produtor musical Jimmmy Iovine – dando origem ao serviço de assinatura de Streaming Beats Music que foi adquirido pela Apple em 2014 numa transação bilionária em torno de 3 milhões de dólares. Em 2015 foi a estreia do filme produzido por Dre e Cube Straight outta Compton cujo objetivo de contar a história do N.W. A teve uma renda de mais de 150 milhões de Dólares. Na ocasião, tive um breve contato com o DJ Yella pelo facebook que me disse falou o desejo de vir ao Brasil divulgar o filme e tocar em festas, Straight outta Compton está disponível na NetFlix

Recentemente, Dr Dre esteve hospitalizado após sofrer um AVE hemorrágico, espécie de aneurisma cerebral, segundo publicação do jornalista Luiz Gustavo Ribeiro ao site Mac Magazine, mas Dre postou no ano passado em seu Instagram que já estava bem e agradeceu aos familiares, amigos e fãs.

Dr Dre é considerado pela Revista Rolling Stone como o 56º maior artista de todos os tempos, estando à frente de Tupac Shakur e Jay-Z.

Fontes – Revista Billboard, Revista Rolling Stone, TMZ, NetFlix

“Estação Black – Dr Dre a lenda viva do rap” é texto de autoria de Marcelo Kurts para a Expedição CoMMúsica.


Expedição CoMMúsica

 

3 thoughts on “Estação Black – Dr Dre a lenda viva do rap

  1. N says:

    Professor é Tupac Shakur, não Shaker kkkk

    Gostei do filme do NWA indicado por vc

    Responder
  2. Reginaldo Tortinho Exalta Samba says:

    Sou do Pagode, mas gosto de escutar esse cantor de Rap

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com
%d blogueiros gostam disto: