Cavando Ideias: Filho

Cavando Ideias: Filho

Cavando Ideias: FilhoOi pessoal;
Hoje estou passando o primeiro texto do meu livro HIPNOSE: ou estados de consciência. Quem quiser conhecer mais, pode entrar em contato comigo.
Começa assim:

Cavando Ideias: Filho

“A realidade é irracional” (Hegel)


Dor é ultrapassar a vida do filho. Palavras do avô, quando a filha morria de câncer. Ele teve um derrame. Oitenta quilos carregados escada abaixo pelo genro e esposa. Era diabético. Dois enfartes.


Três das quatro filhas lamentaram a partida do pai e a agonia da irmã no Natal e Reveillon. Um buraco na trama familiar: dois fios cortados em um mês. O avô sucumbiu para não acompanhar o trânsito da filha. A tragédia acompanha gerações.


Vinte anos depois, a neta diabética precisava seguir uma dieta rígida. Abriu a geladeira e pegou um pé de brócolis florido. Difícil de ser cozido, lindo de ser observado. Era seu aniversário. O buquê saído da geladeira era um presente. Do filho que teria sido e nunca foi. Conversava com o bebê. Sentia companhia e compreensão. Não imaginou a solidão. Luto gritante de seis meses.


Sétimo mês de gravidez, enjôos são incomuns. Foi trabalhar, mas sentia cansaço e vontade de vomitar. Voltou para casa. De manhã, ainda passava mal. Ligou para a amiga médica. Vá para o Pronto Socorro! A sogra a acompanhou. O Clínico Geral verificou a ausência de batimentos cardíacos. Fizeram ultrassom. O feto tinha má formação? Não.


Como assim, não tem batimentos cardíacos?


Tinha dores no peito e muita dificuldade de respirar. Foi para a UTI. Passou a noite. O obstetra veio pela manhã. O bebê está morto. Não podemos fazer cesariana. Há risco de infecção. O parto precisa ser normal, induzido. E foi. Senti tudo. Mas pedi para não ver o bebê. Lutava pela vida e esquecia que matava o futuro.


Não pegou no colo. Não limpou. Não vestiu. Não enterrou. Negou a desolação.


O avô teve quarenta e cinco anos com a filha. Eu tive a barriga que cresceu e que nos últimos tempos se mexia. A realidade vive dentro e não fora. O bebê nunca floresceu, ao contrário do pé de brócolis esquecido na geladeira. Herdou a doença. A dor persiste e os filhos passam. Berro surdo no espaço. Aberração


Silvia Ferreira Lima escreve a coluna Cavando Ideias todas as quintas-feiras e, excepcionalmente, o texto da semana é publicado hoje.

Expedição CoMMúsica 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com
%d blogueiros gostam disto: