Cavando Ideias: A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Cavando Ideias: A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Cavando ideias: Angelical é a coluna semanal de Silvia Ferreira Lima

Cavando Ideias: A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Este título pode parecer repetitivo, porém várias coisas no livro Contos Para o Fim do Mundo parecem repetitivas. Trata-se do livro de Daniela Bonafé, que recebi no ano passado para ler. Tive, inclusive, a oportunidade de conversar com a autora.

Daniela contou que escreveu a história de um jato. Como se fizesse o relato de um sonho surreal. Sonhou que a água estava acabando e que inclusive para tomar, as pessoas precisavam pagar a outros de caráter terrível que tinham justamente se apossado de todo acesso à água. Não se trata apenas da água potável, mas toda a água do Brasil? Do mundo?

É uma história ficcional dividida em pequenos contos que se interrelacionam, podendo ser lidos na ordem que o leitor desejar. Considerando que o primeiro conto só fará sentido completo depois da leitura de todos os outros. Mas qual seria o primeiro e qual a ordem dos capítulos seguintes? Difícil dizer, porque sua narrativa abarca não apenas o tempo cronológico como o tempo das lembranças e o tempo dos sonhos. Começando com o tempo do sonho da autora.

O incrível é que já percebemos uma crise de água devido à falta de chuvas. Os grileiros governamentais realmente não se preocuparam com o bem estar do planeta e com o bem estar deles mesmos. Afinal, acabar com o regime de chuvas devido ao desmatamento absurdo sofrido pelo Pantanal e pela Floresta Amazônica, que simplesmente provocou a falta de água nos estados da região sudeste. Justamente os melhores servidos de chuvas e de água até o momento.

A redução dos níveis de água nas barragens da região sudeste, justamente as maiores responsáveis pela produção de energia elétrica, já está encarecendo as contas de energia e fazendo com que sua falta reveze em alguns bairros de cidades do interior do estado de São Paulo, por exemplo.

O pior é que além da escassez de energia, também teremos escassez de água e de alimentos. Como as plantas e animais poderão sobreviver sem água? Como teremos verduras, frutas, legumes, carne, nestas condições?

Contos para o fim do mundo é uma obra de ficção muito próxima da realidade. Infelizmente, mais próxima do que qualquer um desejaria, inclusive a própria autora, que já está observando a falta de água na cidade de São Paulo, onde vive. Vidência terrível a da escritora, realmente, preocupante.

O livro é ótimo! A protagonista é uma jovem com a qual as mulheres se identificam por trazer à tona a violência pela qual muitas de nós passam. Outra coisa que tem sido muito frequente desde o início da pandemia.

Mais absurdo ainda é pensar que quando poderíamos olhar a vida com mais esperança devido à diminuição do número de mortos devido à vacinação da população e ao trabalho do SUS, começamos a temer outro problema: a falta de água e de comida, que acabarão atingindo a população com a falta de chuvas.

Algumas pessoas já têm aprendido danças indígenas primordiais para chamar as chuvas, com a esperança de que a meditação bem como a união das energias humanas num propósito comum: as chuvas_ podem representar um gesto de união necessário, com o intuito de deter mais um dos cavaleiros do apocalipse.

Afinal, o mundo está chegando ao fim? 

Se você acredita nisso, ficará emocionado ao ler o livro Contos para o Fim do Mundo. Mas se prefere curtir um livro mais poético, em que a autora discorre sobre seu momento de gravidez, bem como a triste experiência de ter perdido um filho; você ficará encantado ao ler seu livro de poemas Útero, ou mesmo seu livro infantil Soprinho, Brisa Ventania e Tufão.

Todos são ótimos e valem a pena ler. Os dois últimos foram divulgados e vendidos pelo projeto Catarse, mas se entrarem em contato com a autora, creio que ainda poderão adquirir.

Ótima escritora! Vocabulário acessível a cada tipo de leitor: criança, mães e jovens, como é o caso do Contos Para o Fim do Mundo. O último editado pela Voz de Mulher. 

Aconselho a leitura de todos estes livros. A autora consegue envolver e criar um suspense válido de ser acompanhado, até mesmo para descobrirmos um novo caminho com esperança de resolver a falta de água.

Boa leitura!

Instagram @bonafedaniela

Entrevista https://www.instagram.com/tv/CNf8fz-Jifg/?utm_medium=copy_link

                        


Expedição CoMMúsica

Deseja seguir a Expedição?

1 thought on “Cavando Ideias: A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Deseja receber as atualizações?

%d blogueiros gostam disto: