Triste mas verdadeiro

Triste mas verdadeiro

Triste mas verdadeiro é artigo de Luis Maldonalle em sua coluna semanal, Vivendo de Música.

 

Há um incontável número de casos dentro do universo musical sobre pressão, o inferno pessoal do artista e o declínio de estilos e guetos musicais. A ideia me ronda a cabeça há algum tempo. Mas acontecimentos recentes deram não só uma reforçada como um novo ângulo e consequentemente; seus insights.

 

 

A primeira foi a morte de Trevor Strnad. O vocalista do Black Dhalia Murder (Death Metal) que tinha apenas 41 anos, e há pouco havia reclamado da questão estética, a cobrança, sobretudo por ele ser de um nicho em que a música deveria ser o carro chefe, não a aparência.

A segunda foi o desabafo de James Hetfield ( papa Het) no show do Metallica no mineirão, em Belo Horizonte. James praticamente abriu o jogo e disse estar se sentindo velho e criando uma série de inseguranças no processo artístico, botando em cheque a longevidade como frontman da banda.

O fato é, desde sempre o rock e seu modelo de business insere uma série de objetivos e situações, vampirizando o artista ao máximo. Hoje, o modelo mudou. Mas a cobrança continua e vem de lugares diferentes. E o peso e a pressão pela manutenção do sucesso fazem parte até mesmo de nichos menores. Um sem número de bandas atravessa o processo com baixas, aprendizados e enormes cicatrizes.

Outro clichê curioso e que afeta artistas estabelecidos é a luta pela autonomia durante contratos leoninos. Algum artistas sempre optaram por direcionar a novas sonoridades, já pensando como um processo de disruptura em suas carreiras. Queen e Beatles são alguns exemplos. Outros, não têm tanta liberdade e acabam presos na própria carreira e sucesso. A insatisfação é a porta de entrada e a garantia de comportamentos mais abusivos com drogas/álcool e solidão. E, não raro, o artista acaba destruindo a própria imagem.

Se o excesso era chamariz e até artifício pra vender uma imagem tempos atrás, hoje, o cenário é o oposto. E o mainstream não ensina a transição, ou tampouco é um afago ao artista que envelhece. Suicídios e perdas irreparáveis fizeram e continuam a fazer parte da história da música, assim como suas perdas precoces.

A obra eterniza, mas a dor, nem sempre passageira, é para muitos um bilhete apenas de ida, e um convite à escuridão. Triste, mas verdadeiro.

Abs.

L.M

Author: Maldonalle

Luís Maldonalle é guitarrista há trinta anos e é e considerado um dos grandes expoentes da cena do Centro-Oeste. Atualmente se dedica ao conteúdo via redes e o Tributo Yngwie Malmsteen. Luís sempre foi um aficionado das clássicas histórias de terror e literatura fantástica. O seu livro, Sete Noites em Claro, é a estreia dele no universo do terror e fantasia. Para mais informações visite : https://www.paypal.com/donate?hosted_button_id=M83EX6BSSVXS4

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com
%d blogueiros gostam disto: